REUNIÃO NO PAIAGUÁS

Debate mostrou que governo não foi responsável por aumento de preços; comércio não compareceu

A A

Depois de quase quatro horas de debates, o Governo de Mato Grosso mostrou, através de números reais, que não foram os ajustes feitos na lei de incentivos ficais que provocaram aumentos exorbitantes nos preços de diversos produtos, especialmente do etanol.//

Durante o debate público que aconteceu na manhã desta quinta-feira (30) no Palácio Paiaguás, dos quatro segmentos chamados para a discussão apenas os setores do etanol e remédios compareceram.//

Os setores do comércio e de materiais de construção se recusaram a participar. A negativa das entidades - Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Mato Grosso (Facmat), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio), Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Mato Grosso (FCDL), Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL/Cuiabá) e Associação Comercial e Empresarial de Cuiabá (ACC) - se deu em razão de preferirem reunião a portas fechadas.//

O governador Mauro Mendes, que abriu a audiência, destacou que a gestão tem adotado várias medidas para incentivar o desenvolvimento econômico e a lei que reduziu os privilégios fiscais é uma delas e segundo Mendes algumas pessoas estão se aproveitando do momento.//

Sonora Mauro Mendes

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, durante sua apresentação, mostrou que a nova lei trouxe transparência aos incentivos fiscais e segurança jurídica para a classe empresarial.//

Ele deixou claro que o governo não quer interferir nos preços dos setores econômicos, mas sim, restabelecer a verdade, pois é inadmissível aumentar os valores para elevar a margem de lucro e imputar isso ao Governo.//

Rogério Gallo, disse que o debate público foi bastante positivo pois serviu para desmistificar vários pontos.//

Sonora Rogério Gallo

Além de representantes das farmácias e do etanol, também estiveram presentes: o secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, o presidente da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, os deputados Wilson Santos, Nininho e Max Russi e do corpo técnico da Sefaz-MT.//


Fonte: Por Elisete Mengatti
Imprimir